segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Frido: meu gatinho cego

Faz mais ou menos dois meses que recebi uma nova alegria na minha vida e na minha casa: Frido¹, meu gatinho ceguinho (parece filme de sessão da tarde né? haha). No começo do tratamento dos olhinhos dele eu nem ligava por ele ser cego, só queria o bem estar dele, mas quando minha família deu permissão de adotar-lo, fiquei já meio nervosa com a ideia porque bateu aquela "responsabilidade" na porta e achar que ele não viveria igual a um gato ''normal''. Eu tinha mil e uma dúvidas para tirar sobre como é ter um gato cego em casa, mas não achava ninguém que pudesse me tirar as dúvidas, apenas "ouvia" que eles vivem tão normal quanto um gato que enxerga, mas não era suficiente para mim. Queria o melhor pra ele, então eu queria estar por dentro do assunto por total, no final tive que tirar minhas próprias dúvidas depois de semanas convivendo com ele. Fiz uma listinha de dúvidas que me surgiram e que pode ser que surja para leitores que estejam a caça de informações também. 




1) Como eles vivem sem enxergar? 

Então, uma coisa que temos que fazer antes de mais nada é separar a realidade de um humano cego e de um animal cego. Animais tem seus sentidos bem mais apurados que os humanos, isso não é novidade para ninguém. O que já era bom ficou melhor! A audição será o principal sentido dele, o tato fica bem mais sensível ao ponto de qualquer toque faz com que ele comece a ronronar e o olfato melhora mais que tudo ao ponto dele vim do outros lado da da casa até seu quarto implorando por um pedaço de milho (isso aconteceu comigo KPOKPAOKS). Os bigodinhos são super importantes para sentir vibrações e ter uma noção pequena de espaço, as unhas são indispensáveis e é aconselhável a não cortar-las porque elas irão ajudar-lo a subir na coisas, sentir vibrações no chão quando estiver alguém chegando por perto, ajuda-o quando ele for cair de algum lugar para não se machucar (já que ele não tem noção da profundidade de onde ele está caindo). 

2) Eles fazem cocô na areinha sem problema? 
Vê só, você tem que lembrar que ele é cego, certo? Então ele não tem muita noção de espaço, aconselho você comprar um pote bem grande para colocar a areinha porque se o pote for tamanho normal o gatinho vai tentar cobrir o cocôzinho dele ou xixizinho e vai jogar a areia para todo quanto é lado já que ele não sabe mirar muito bem no começo, depois ele vai acertando, mas mesmo assim acaba jorrando areia pra fora, então tenha paciência e sempre limpe o local que você deixa a areiazinha dele, mas ele sempre consegue chegar ao seu destino. No começo ele vai se acostumando com o ambiente, vai conhecendo a geometria da casa até achar a areia e no final vai acabar descobrindo onde ela fica. Ele é um gato normal como os outros, só tem uma deficiência de visão. Outro conselho, nunca e jamais deixe o bichano dormir em algum lugar alto, porque como eu disse anteriormente, ele não tem noção de profundidade e vai acabar não se arriscando pular e vai fazer o cocô ou xixi no local que ele estiver (sofri disso, ele fez na cama, para minha sorte ele fez quando meu namorado estava sozinho na cama dormindo kkkkk), deixe ele se acostumar, deixe ele descobrir que existe uma cama/móvel onde ele possa subir por conta própria e aprender a descer. 

3) Ele vive normal tanto quanto um gato que enxerga? 
Sim! Só tenha cuidado com janelas, varandas, portões ou sei lá o que for que não tenha uma tela (não grade), é bem mais seguro e quase impossível dele passar. Ele é cego, não teste para saber se ele tem noção do perigo ou não. O meu é um bom exemplo que ele não tem a mínima noção, ele quase se jogou em um buraco de caixa de ar-condicionado (que serve como caminha ventilada para os bichanos daqui de casa, eles adoram) tive que tampar até ele crescer e não poder mais passar o corpo no buraco e quase se jogou no combogó da cozinha (só faltei morrer do coração ao ver-lo com metade do corpo pra fora), mas tudo isso que aconteceu ele era bem menor e passava em qualquer buraco, hoje só faço cuidado com janelas que ainda não tem telas (moro no oitavo andar). Caso que você more em casa, eu não sei dizer se o bichano vai saber voltar pra ela, não sei mesmo, pessoalmente prefiro não me arriscar, já tirei o meu das ruas pra não morrer, prefiro não testas, então fica no gosto de cada um querer que seu bichano dê uma volta ou não, mas saiba disso. Fora "todos esses problemas" (que não vejo nada demais) ele vive IGUALZINHO a minha outra gata, Pequena. Ela tem três anos e os dois VIVEM juntos, brincam que só, brigam às vezes e de vez em quando ele mete o focinho na parede quando se empolga nas brincadeiras correndo atrás dela, mas faz parte, rsrsrsrs 

4) Ele da dor de cabeça? 
Sinceramente não, não pra mim pelo menos. Quem me dá dor de cabeça é minha mãe reclamando (desculpa mãe! kkk te amo) que ele está subindo na mesa, enchendo o saco de Pequena, correndo demais, arranhando o sofá, enfim, coisas de gatos. Ele é bem teimoso, mas isso é DELE e não por ele ser cego. Cada caso é um caso. Em questão da vivência dele eu não vejo algum problema, como disse, ele é um gato normal como qualquer outro! 


Em resumo, aconselho à todos adotarem um animal com ou sem deficiência, mas dê preferência de um que tenha deficiência. Quando Frido estava no veterinário bem melhor dos olhos e já preparado apara ser adotado, ninguém quis levar-lo. Levaram todos os gatos que enxergam menos ele até eu mesma adotar. O preconceito é grande, não faça o mesmo. Eles só querem ser amados, bote-se no lugar do animalzinho e imagine o quanto ele sofre. Pare, pense e ame-o.


Você tem algum animalzinho com eficiência? Por favor, conte-me sua experiência ^^



Obs.: Agradeço a todos que me ajudaram financeiramente para o o tratamento de Fridinho que esteja lendo esta postagem! <3 



¹ O nome dele foi inspirado na pintora Frida através da famosa frase "Frida, sofrida". 
Postar um comentário